Edição digital
Publicidades




CIDADE
Avanço tecnológico mais destrói do que cria emprego, diz estudo
30/6/2013
Impressão

São Paulo - O desenvolvimento tecnológico nos EUA está destruindo empregos em uma velocidade maior do que é capaz de criá-los, segundo estudo do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts).
Ao relacionar os dados de desemprego e de produtividade do país, Erik Brynjolfsson e Andrew McAfee, ambos do instituto, concluíram que novas tecnologias, como robôs e softwares, substituem o trabalho humano, sem criar alternativas de empregos.
Historicamente, incrementos em produtividade geram desemprego momentâneo. O crescimento proporcionado, no entanto, compensa a perda inicial.
A partir de 2000, aponta o estudo, isso para de ocorrer: a produtividade continua a crescer, mas a criação de empregos perde força.
Esse fenômeno explicaria o desemprego em outros países desenvolvidos, como os da zona do euro.
Até os anos 2000, os ganhos de produtividade reduziam a demanda de empregos na indústria, mas os trabalhadores eram absorvidos pelo setor de serviços.
Agora, as inovações substituem trabalhos corriqueiros nesse setor.
Um exemplo é o Kiva, robô usado por empresas de comércio eletrônico em seus centros de distribuição.
Outra consequência desse fenômeno é o aumento da desigualdade social. O estudo mostra que, desde 1975, a renda média das famílias norte-americanas cresceu em uma proporção muito menor do que o PIB do país. A partir de 2000, esse processo torna-se mais visível.
"É algo estrutural do capitalismo industrial e que vem assumindo diversas formas ao longo dos séculos, com avanços e recuos. A questão sempre é saber se haverá um ponto intolerável para o sistema, que simplesmente o inviabilizaria. Alguns marxistas, como [o filósofo húngaro István] Mészaros, dizem que a crise atual vem daí mesmo", afirma Jorge Grespan, professor do Departamento de História da USP.
 

No Brasil, o
cenário é invertido.
De acordo com José Pastore, professor da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade), o Brasil está atrasado no processo de automação da economia. Ao mesmo tempo, o aumento do consumo estimulou a geração de empregos de baixa produtividade, no setor comercial e de serviços.
"Como o setor de serviços estava contratando muito, o industrial teve que aumentar o salário acima do ganho de produtividade", afirma Fernando de Holanda Barbosa Filho, economista da FGV (Fundação Getulio Vargas).
Com isso, a indústria nacional perdeu competitividade e os preços no setor de serviços aumentaram.
 

Deixe seu comentário
(44) 3621-2500
Assinaturas
(44) 3621-2526
assinaturas@ilustrado.com.br
Redação
(44) 3621-2535
editoria@ilustrado.com.br
Classificados
(44) 3621-2525
classificados@ilustrado.com.br
UMUARAMA - PR